Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

sexta-feira, janeiro 4

A carência de Domingo

A carência de Domingo. No outro dia uma amiga – a Rainha da Sucata - falava-me dessa sensação tão usual de um dos dias que muitos querem evitar. É ao Domingo que começamos a pensar na semana de trabalho que chega, e na sempre complicada Segunda-feira, é ao Domingo que está tudo fechado, que as estradas de Sintra, Cascais e Sesimbra estão atulhadas, é ao Domingo que dedicamos tempo às coisas domésticas. E é ao Domingo que temos mais tempo para pensar, para olhar pela janela e meditar no vazio.
A carência de Domingo vem na ressaca da noite de Sábado. Muita festa, muita animação, dançar até doer os pés e o corpo, deitar muito tarde, quando os ponteiros do relógio normalmente marcam o despertar. E ressaca de uma noite em que não se conheceu ninguém, que não foi especial. Porque para muitos, ou talvez quase todos, o Sábado à noite, ou até mesmo a noite em si, é encarado como uma oportunidade para se encontrar o tal alguém que, mesmo que não se admita, se espera.
Diz-se que a meia-noite é a pior hora para os solteiros. É capaz. Mas parece-me que desaprendemos o estar só, o estar connosco, a sabedoria de criar os momentos divertidos só por nós mesmos, a inteligência de criar à nossa volta um halo de luz e de radiância que só atraia vibrações positivas e seja um bloco de aço para os pensamentos mais tristes e negativos.

5 Comentários:

Às 12:09 da manhã , Blogger anDrEIA disse...

Domingo é aquele dia deprimente, não precisando de muito para ser perfeito: frio lá fora, o calor do lar, um dvd bacano e a companhia do sofá... Com o cair da noite, invade-me uma sensação de tristeza e angústia com o começo de mais uma semana, jornada de trab, que começa c a temível 2ª feira e termina c a adorada 6ª:)
Dizes bem que domingo é ressaca da noite de sábado... se bem que o meu conceito de noite já está um pouco desfasado daquilo que era... e não me identifico minimamente com o que se diz por aí: "a meia-noite é a pior hora para os solteiros."! Ultimamente, tenho-me deixado de febres de sáb à noite a divagar por uma noite (que já não é o que era), disfrutando do meu EU... E gosto muitooo :)

 
Às 12:15 da manhã , Blogger anDrEIA disse...

"o Sábado à noite, ou até mesmo a noite em si, é encarado como uma oportunidade para se encontrar o tal alguém que, mesmo que não se admita, se espera." - poderá ser uma oportunidade, mas a meu ver não é viável, nem confiável. Para mim, noite é sinónimo de diversão, copos, amigos, conversas, sorrisos, olhares, música, dança!

 
Às 12:42 da manhã , Anonymous The One disse...

Gostei do post e partilho da mesma opinião. Sabias as palavras que escreves-te, sabio seras quando as sentires.

 
Às 4:33 da manhã , Anonymous JB disse...

:)

 
Às 9:29 da manhã , Blogger Inês disse...

Solteiros ou não, o domingo é sempre igual. Um bom remédio: combinar umas jantaradas ao domingo à noite para mascarar o panorama!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial