Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

sexta-feira, setembro 2

A moda do Aloe Vera

O Aloe Vera está hoje na moda. Aquela que é vista como a «Planta Miraculosa» saltou das mais ou menos escondidas ervanárias para as prateleiras dos supermercados, atingindo uma vasta gama de produtos. Como nas imagens dos desertos dos westerns americanos, a planta do Aloe é vista como um cacto cheio de vida. O Aloe Vera, que é utilizado há cerca de 6 mil anos, é um dos produtos mais em voga na Medicina dita alternativa

O Aloe Vera tem sido desde há muito apresentado como a «Planta Miraculosa», o «Curativo Natural» ou a «Planta das Queimaduras».
E este desde há muito conta já com perto de 6 mil anos. É do Antigo Egipto de 3 500 A. C., num papiro perdido no tempo, que datam as primeiras referências ao Aloe Vera. Mais tarde, veio a descobrir-se que também as ancestrais culturas chinesa e indiana recorriam à «planta dos milagres», a par de médicos das civilizações da Grécia Antiga. Aliás, conta a lenda que um dos primeiros vultos ilustres da História a recorrer ao Aloe Vera foi Alexandre, o Grande, a conselho de Aristóteles. Alexandre invadiu a ilha de Socotra, no Oceano Índico, com o intuito de aí se abastecer da planta medicinal, de forma a curar os milhares de soldados feridos em batalha. Antes, outros nomes, também eles de relevo na História, utilizaram o Aloe, como as rainhas do Egipto Nefertiti ou a mítica Cleópatra, que a par dos banhos com leite de cabra usava a planta como tratamento de beleza.
Mas então para que serve exactamente o Aloe Vera? Nos nosso dias encontramos o Aloe em iogurtes, em cosméticos, em detergentes, em pastas de dentes, em perfumes, em pomadas, em comprimidos... Enfim, uma miríade de produtos que faz com que nos perguntemos afinal o que é que não contém Aloe? A planta actua fundamentalmente em duas dimensões: a nível dermatológico e a nível gastro-intestinal. Pode também ser utilizado em problemas de asma, infecções várias, artrite, fadiga pós-viral, lúpus eritematoso e até no stress, facto comprovado pelos testemunhos daqueles que dizem que, após terem recorrido ao Aloe, se sentem mais tranquilos e calmos, com a sensação de bem-estar a vencer a batalha com a ansiedade.
Mais especificamente, o Aloe pode resolver situações relacionados com a pele como eczemas, psoríase, úlceras, queimaduras, acne, picadas de insecto e mordeduras de animais. No que diz respeito a perturbações intestinais, a colite, a divertículose e a síndrome do intestino irritável são algumas das doenças que podem ser aliviadas com a utilização do Aloe Vera.
As possíveis utilizações são portanto muito variadas, mas é de extrema importância consultar um naturopata ou homeopata antes de iniciar qualquer tratamento. Isto porque o Aloe pode ser usado de formas diferentes, para além de existirem cerca de 200 espécies da planta. No entanto, apenas quatro ou cinco possuem propriedades medicinais, sendo o Aloe Vera Barbadensis Miller o mais potente e aquele que é designado como o verdadeiro Aloe. Os Estados Unidos são um dos maiores produtores a nível mundial, com extensas plantações e uma verdadeira indústria de distribuição. É também americano o organismo que regula a quantidade de Aloe Vera presente nos vários produtos da gama, através de um selo de aprovação que é colocado nas embalagens, emitido pela International Aloe Vera Science Council (Conselho Internacional da Ciência do Aloe Vera). Claramente, quanto maior for a concentração da planta no produto, maior será a sua eficácia, sendo que o Aloe terá sempre de ser o principal ingrediente da solução. O Aloe Vera funciona como um fornecedor rico em elementos nutritivos que promovem o crescimento celular e o aumento da resistência não específica do organismo, o que leva à cura do mal e à solução do problema do qual o paciente padece.
O aspecto do Aloe Vera é o de um cacto suculento, portanto não seco, como o dos chorões que povoam as dunas das praias. Em termos de Botânica, o Aloe pertence à família das açucenas, relacionada com as cebolas, os alhos e os espargos. O produto Aloe Vera é feito através da mistura do gel interior das folhas amadurecidas e da seiva exterior, podendo ser recolhido, armazenado, preservado e engarrafado, dando origem a um produto igual ao sumo da planta natural. Como nas imagens dos desertos dos westerns americanos, a planta do Aloe é como um cacto cheio de vida.
O interior da folha do Aloe Vera possui vários princípios activos, como vitaminas, tendo a particularidade de ser umas das poucas plantas no mundo que possui a vitamina B12, minerais, amino-ácidos, açúcares, que actuam no sistema imunitário, enzimas, que dividem os alimentos e ajudam na digestão, esteróides vegetais, que agem como anti-inflamatórios, saponinas, que são um potente agente anti-microbiano, lenhina, que ajuda à penetração nas camadas mais profundas da pele, antraquinonas, conhecidas pelo seu papel no alívio da dor e pelas suas propriedades anti-bacterianas e anti-virais, e ácido salicílico, composto semelhante à aspirina.

2 Comentários:

Às 12:04 da tarde , Blogger Dad disse...

Parece que também actua activamente para a paragem do desenvolvimento de células cancerígenas...

 
Às 11:34 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial