Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

quinta-feira, agosto 30

Memórias olfactivas

Cada vez mais me apercebo que identifico pessoas e localizo situações, recordo acontecimentos e revivo recordações, actualizo memórias através dos cheiros. O meu nariz tem sido a caixa registadora da minha vida, directamente ligado ao mais profundo e escondido da minha mente.

2 Comentários:

Às 10:00 da manhã , Blogger emot disse...

não és só tu ;)

 
Às 10:55 da manhã , Blogger paulo rico disse...

Ainda ontem vi uma reportagem sobre cães em portugal treinados para detectarem olfactos e cadáveres! Estás lá, puto!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial