Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

quarta-feira, julho 4

Museu em casa

Em arrumações lá em casa, no armário em que não se mexe, desencantei uma peça de museu. Coberto de pó estava o velhinho walkman da Sony, que há uns anos era um topo de gama. Agora anda comigo, numa onda de revivalismo e retro, a fazer justiça às dinossáuricas cassettes. Tenho pena de não haver um leitor portátil de vinis.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial