Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, setembro 5

Onde está a saída?

São muitos os amigos que se queixam dos seus locais de trabalho, pessoas que não gostam do que fazem, que acham as condições injustas e insatisfatórias. Os níveis de pobreza sobem. As quotas de desenvolvimento descem. A sensação de beco avoluma-se e adensa-se. Parece que estamos a entrar num nevoeiro tão sólido que nos tolhe os movimentos, que nos prende braços e pernas até à imobilidade total. Que sociedade é esta, que mundo é este?

6 Comentários:

Às 3:15 da manhã , Blogger serEmot disse...

É o mundo de cada um. Mesmo com empregos frustrantes ou mesmo sem qualquer emprego é possível aproveitar a vida. Há bons momentos, bastantes, há que lhes dar valor e partir para outros!!

 
Às 5:56 da tarde , Blogger Inês disse...

O mundo não é justo, nem injusto. Não é certo nem incerto, não é constante nem sempre insconstante, é um looping de peripécias boas e más, intensas ou cinzentas, frescas e sorridentes ou negras e infelizes. O díficil está em encontrar o equílibrio no meio deste caos ambulante. Eu ainda não o consegui. Mas vou tentar, amanhã e sempre com mais esforço, porque vou conseguir.

 
Às 10:18 da tarde , Blogger Joao Moreira dos Santos disse...

É o mundo em que as pessoas hipotecaram o seu destino ao banco para ter mais um plasma, uma casa, um carro, uma piscina, um telemóvel de xpto geração.

E por isso perderam a hipótese de dizer não. Venderam essa palavra e no fim descobrem que afinal os plasmas, as casas, os carros não trouxeram um sim a uma vida harmoniosa, feliz, mas sim problemas e insatisfação.

É o mundo em que se vive a partir do ego e não da alma nem do coração; o mundo da competição, do show-off, do alpinismo profissional, social, da inveja, do ódio; o mundo da racionalização do vazio que esvazia (em vão) através de comprimidos e spa.

Em suma, o mundo que já não pode oferecer nada a quem está consciente e um mundo que carrega em si a semente da sua morte.

Quid juris, oh mundo e humanidade?

Benditos os descontentes, pois a porta de saída está para eles mais perto do que longe.

 
Às 11:31 da manhã , Blogger Marco disse...

É uma sociedade que temos de mudar.
Só que essa mudança depende de cada um de nós.
E se ficarmos à espera que os outros tomem a iniciativa dessa mudança, então a coisa nunca mais muda!

 
Às 9:51 da manhã , Blogger Luna disse...

Este é o mundo que seres viventes como nós fazem, falamos em mudança, mas tudo esta dentro de nós só quando cada um mudar de verdade o seu comportamento iremos ver resultados, pois o mundo reflete o que somos
beijos

 
Às 2:50 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Pedro,

O teu futuro profissional será feito por ti, já te o disse um dia.

Não esperes. Faz.

Se tens sonhos, luta por eles.

Se tens projectos, começa hoje a erguê-los.

Por que não propores às televisões um programa? Algo teu, único, que só tu podes trazer ao mundo.

Eu estou cá para te ajudar. Eu vim para te apoiar.

Vai escrevendo e envia as coisas para mim. Eu apoio-te porque acredito que tens algo para dar e acho que passa pela televisão. Mas uma televisão diferente, feita para acrecentar algo às pessoas, algo que as faça ser mais.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial