Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, agosto 29

Ponto final no verão

O manto de estrelas que rasga o céu da casa do pinhal é imponente. Ali o azul escuro quase negro é maior e os pontos amarelos brilham mais que noutros sítios. Por entre as copas das oliveiras, na companhia das silvas já carregadas de amoras porque o Verão foi muito quente, ao lado das figueiras, com o zumbido dos pinheiros entrecortado pelo canto dos castanheiros, espreito o céu, eu e o Sebastião, o rafeiro que há uns anos passou a fazer parte de nós e do nosso quotidiano. Junto ao poste de luz os mosquitos perdem-se numa dança louca. É melhor assim. Por enquanto tenho os braços e o pescoço a salvo das suas picadas, mas não por muito tempo, já que no dia seguinte acordo sorteado pelo enxame. Este Verão saiu-me a lotaria...

No ano passado, neste mesmo alto em que me encontro, ponto de encontro entre o Ribatejo, a Beira Litoral, a Estremadura e com a Beira Baixa não muito longe, avistei a parede de chamas que quase devorava o concelho. Passados 365 dias tudo está mais calmo, mas há que preparar desde já 2007.

Amanhã, de novo de comboio, rumarei a Lisboa. É o ponto final no Verão.

2 Comentários:

Às 1:02 da tarde , Blogger João Moutinho disse...

Cheguei até ao Tigre através do blog do Elfo.
Espero que possamos "blogar".
Gostei muito do nome. Só espero que o destino do blog não seja o mesmo.

 
Às 4:10 da tarde , Blogger A Sonhadora disse...

Oi Tigrão...tás bom?
obrigada pelas visitinhas pelos meus sitios....beijocas dde mim

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial