Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, agosto 29

Casa velha nova

Gosto de casas antigas. Têm personalidade. Casarões com um sem número de portas, madeira com décadas de vida, barulhos e ruídos, estalidos, estórias para contar, pessoas que já cá não estão mas que deixaram a sua marca, cantos e recantos de um ser vivo. E naquela casa conheço finalmente o mais recente membro da família, o meu primo Diogo, nascido há cinco meses longe, bem longe, noutro continente mais a sul. Desde logo me encanto, e sei que é para sempre. Tomo-o nos braços, passeio-o por toda a casa gigantesca, observamos juntos os montes e serras que rumam a Espanha, conversamos, brincamos, quase que adormecemos quando chega a hora antes das refeições fartas da Beira. Estamos a ganhar fôlego, eu para as bôlas de azeite, para os queijos, para os enchidos, para as empadas, para o cabrito que afinal não chegou, para o caldo verde, para os doces, o Diogo para o biberon. Bem vindo bébé.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial