Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, agosto 29

No Alentejo o tempo tem mais espaço

Depois de serpentear pelo Ribatejo e chegados ao Alentejo entramos na herdade. Ultrapassado o bosque à la David Lynch é preciso abrir o portão de arame farpado, ritual que se vai repetir sempre que deixamos ou regressamos a casa. Entre penedos redondos gigantescos que parecem bolas de bilhar e vacas alentejanas deitadas indolentemente nos pastos e que nos olham com indiferença ou surpresa, lá seguimos, perigosamente, num cai-não-cai do caminho esburacado. Chegámos. Há que ligar a geradora para sairmos do breu. Não temos rede, não há água quente, a piscina está vazia (e vai demorar dias a encher), estamos no meio do nada, quase nas profundidades do país. Mas estamos juntos, é o que importa. Vamos jogar às cartas, romper a madrugada na batota e no bota-abaixo. Já tarde, seriam três ou quatro da manhã (ali, no Alentejo, o relógio não existe), seguimos na Kangoo, a nossa amiga canguru, e vamos no rally nocturno aos coelhos. Acelera, acelera, que está ali um. E a carrinha quase voa nas curvas apertadas, no asfalto que não existe, até que invade as ervas rasteiras e segue praticamente desgovernada. Paramos. Apagamos as luzes. Estamos no meio do Universo, sobreiros rodeiam-nos, a luz das estrelas ali mais brilhante acompanha-nos. Estamos felizes. Somos grandes e pequenos ao mesmo tempo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial