Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

domingo, março 25

Gramas de peso

E afastou-se do bulício, do sítio do banco. Rumou para ir dar uma volta. Apanhar ar. Animar-se. Afastar tristezas e vontade de chorar (as lágrimas vieram mais tarde). Sentia-se diferente de todos e afastado de tudo. Posto de lados por ele próprio e pelos outros. Sentou-se noutro banco que não aquele do qual havia saído para ver o céu e o rio.

Ergueu-se e seguiu a esquadria das ruas e dos edifícios, que afinal não são tão direitos quanto se diz. Perdeu-se de novo nas luzes. Embrenho-se na multidão. Abafou-se nos sons da noite. Daqui a umas horas tudo passou. Até à próxima crise. Ele segue a direito.

4 Comentários:

Às 10:39 da manhã , Blogger nina disse...

De vez em quando é necessário perder umas gramas de peso (mais umas lágrimas menos um "peso" em cima).

 
Às 7:30 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Não está(s) só. Outros há assim. Mas os campos estão cheios de lírios selvagens...

py

 
Às 12:36 da manhã , Blogger Dad disse...

Tristeza e melancolia...a vida é feita muito mais de isso do que do resto...e de medos...também...

Quando nasce o sol tudo se apazigua...

Gostei como sempre da reflexão do texto.

Beijinhos grandes,

 
Às 12:38 da manhã , Blogger Dad disse...

Não fora o trabalho noturno e convidava-te para vires ao jantar dos bloggers no dia 14 de Abril.
Se quiseres ver como é vai ao Momentos e clica onde eu indico para entrares no blog OS CONVIVAS DO COSTUME.

Se puderes vir, diz-me que és meu convidado.

Beijinhos,

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial