Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, fevereiro 14

O que correu mal?

Tenho 30 anos. Mal ou bem medidos já os tenho. Não que pense muito nisso. Nunca liguei muito a datas, números redondos, aniversários ou o que seja. A verdade é que o BI (ainda sou old school) não mente. Olho para trás, olho para a frente, e a visão é a mesma: um grande vazio, um precipício onde não se vê o fundo. Tirei o meu curso como qualquer pessoa deve fazê-lo. Fui tendo os meus contactos profissionais. Fui tendo alguma experiência em Portugal e lá fora (seis meses em Paris) e chego aos 30 anos como se ainda não tivesse arrancado. Por motivos pessoais que me ultrapassaram cheguei por duas vezes à barreira do terceiro contrato numa empresa e fui dispensado. Da primeira vez apanhado numa guerra surda entre clãs (e passados anos com o pedido de desculpas de quem me julgou mal na altura mas que foi responsável pela minha saída). Da segunda pela subserviência ao poder, pelo ficar bem na fotografia. Tem sido um percurso aos caídos, literalmente. Sinto-me constantemente no intervalo de um filme que teima em não entrar em velocidade de cruzeiro. Já por muitas vezes me fizeram duvidar da minha competência e das minhas capacidades. Por demasiadas vezes me pareceu a explicação lógica para ver muitos aos quais não reconheço maior valor do que a mim me passarem à frente. Os dias são sufocantes e ao mesmo tempo vazios. Procurar empregos online, enviar CV's, puxar pela cabeça, chatear e incomodar amigos e contactos, fazer planos sempre no fio da navalha. E perceber ao final do dia que nada tem valido a pena. São golpes de sorte que nos colocam em determinadas posições. E que a fábula do trabalhador de sol a sol recompensado é coisa de filmes e de reportagens romanceadas sobre casos de sucesso.
'Mexe-te!' 'Arranja o teu negócio!' 'Imigra!' São muitas as expressões quase paternalistas que vou ouvindo aqui e ali. Como se fosse tão fácil como falar. O 'mexer' está intimamente ligado com a sorte. Nem todos temos de ser empreendedores e nem todos temos competências para tal. E ir lá para fora não é o mundo cor-de-rosa que se pinta nas revistas, onde só se fala dos que vingaram, esquecendo os milhares que nunca o conseguiram.
Estou cansado que me olhem como desempregado por vontade, por incompetência ou por inércia. E assim vão passando os dias de mão estendida. Até quando não sei.

4 Comentários:

Às 7:46 da tarde , Blogger Sofia disse...

Ao escreveres-te, escreveste-me. Só nas idades é que o caso é diferente.

Mas percebo-te demasiado bem... ****

 
Às 10:03 da tarde , Blogger Sof disse...

2

 
Às 10:03 da tarde , Blogger Sof disse...

3 aliás...

 
Às 1:53 da tarde , Blogger Rita disse...

é frustrante. demasiado frustrante. e dps ha aqueles q trabalham em coisas q nd têm a ver c a area... porque precisam:( e tds os dias s arrastam e vai-s vivendo assim. na espuma dos dias?

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial