Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

quinta-feira, novembro 26

Zeca

Que amor nao me engana
Com a sua brandura
Se da antiga chama
Mal vive a amargura

Duma mancha negra
Duma pedra fria
Que amor nao se entrega
Na noite vazia?

E as vozes embarcam
Num silêncio aflito
Quanto mais se apartam
Mais se ouve o seu grito

Muito à flor das águas
Noite marinheira

Vem devagarinho
Para a minha beira
Em novas coutadas
Junta de uma hera

Nascem flores vermelhas
Pela Primavera
Assim tu souberas
Irmã cotovia

Dizer-me se esperas
Pelo nascer do dia

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial