Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

sexta-feira, dezembro 5

Cinematógrafo

Sabe bem sentir-me estrangeiro em Lisboa, ouvindo diálogos de França, Espanha ou Itália, escondido debaixo de um alpendre de heras na Bica. Como se de um filme se tratasse, o som directo e acidental acaba por ser a trama central de um conversa de silêncios.

3 Comentários:

Às 3:56 da tarde , Blogger Sofia disse...

Gosto de alpendres... e de heras! :)

 
Às 11:12 da tarde , Blogger Sof disse...

Isso foi a presença da madeirense mais cubiçada em todo o rectângulo!

 
Às 2:20 da tarde , Blogger banana disse...

Que saudades...
Disso e das tostas de grango e queijo com oregãos.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial