Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

segunda-feira, setembro 28

Foram cardos foram prosas

Há luz sem lume aceso
Mas sem amar o calor
À flor de um fogo preso
À luz do meu claro amor

Há madressilvas aos pés
E águas lavam o rosto
Dedos que tens em rés pés
Oh, meu amante desposto

Não foram poemas nem rosas
Que colheste do meu colo
Foram cardos foram prosas
Arrancados ao meu solo

Porque tu que ainda me queres
O amor que ainda fazemos
Dá-me um sinal se puderes
Sejamos amantes supremos

Será sempre a subir
Ao cimo de ti
Só para te sentir
Será do alto de mim
Que um corpo só
Exalta o seu fim

Não foram poemas nem rosas
Que colheste do meu colo
Foram cardos foram prosas
Arrancados ao meu solo

porque tu que ainda me queres
O amor que ainda fazemos
Dá-me um sinal se puderes
Sejamos amantes supremos

Será sempre a subir
Ao cimo de ti
Só para te sentir
Será do alto de mim
Que um corpo só
Exalta o seu fim...

MEC

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial