Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

terça-feira, março 17

Gremlins e anjos

Quando entramos num carro parece que nos tornamos animais. Daqueles bem feios, com várias filas de dentes, que rosnam à mínima coisa e cheiram mal. De sujeitos calmos, que contam umas piadas de vez em quando e que andam de sorriso no rosto aparvalhado à beira-mar transformamo-nos em gremlins mauzões.

Queremos ser os mais rápidos, aqueles que chegam primeiro, aqueles que arrancam antes de todos, aqueles que picam quem vai à frente e gozam com quem vai atrás.

De onde vem este bichinho idiota, este síndroma do condutor estúpido é que já não sei. O que sei é que a porta do carro é a fronteira bem definida do grotesco, anjos antes, diabos depois.

E para quê? Para fazermos figuras de anormais, como se fosse uma necessidade humana ser mais ridículo do que o próximo.

1 Comentários:

Às 12:55 da manhã , Blogger Vap disse...

É o que se diz fazer figura de parvo...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial