Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

quarta-feira, fevereiro 18

Aquilo que ninguém quer

Não devia ter mais de 20 anos. A pele ainda povoada de borbulhas, o cabelo curto, negro, escondido pelo boné, dois piercings a furarem uma orelha, uma pastilha mastigada mecanicamente. No frio do início de Fevereiro, num jardim no centro da cidade, atravessado todos os dias indiferentemente por todos, ela recolhia, igualmente mecânica, o lixo dos caixotes cheios daquilo que ninguém quer. Os dias dela arrastam-se, provavelmente, iguais a todos os outros, vivendo apenas para as saídas nocturnas do fim-de-semana. Porque o olhar dela era, também, mecânico, vazio, sem esperança.

2 Comentários:

Às 1:46 da manhã , Blogger anDrEIA disse...

Drigo, desafio para si no meu estaminé :)

 
Às 8:48 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

deve ter sido vítima duns espertalhaços

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial