Tigre da Tasmânia

«Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida» C. Lispector

quinta-feira, outubro 25

Echando de menos

Tenho saudades de Buenos Aires. A cidade ficou entranhada na pele. Em tudo encontro vestígios e sinais da capital não oficial da América do Sul. Tenho sobretudo saudades das gentes. Pessoas num estado mais puro. Que falam connosco, que metem conversa sem segundas ou terceiras intenções, pelo prazer puro de conversar e conhecer quem está à sua frente. Muito do ambiente que me rodeia agora me parece sujo, encardido, encapotado e mascar ( r ) ado. Conversar horas com vendedores de rua, com o empregado do restaurante, com a senhora que vende os blusões do celeste argentino, com o taxista, com novas amigas e amigos que se fazem no bar ou na discoteca. E tudo pelo prazer de conversar, não porque és um turista que está lá por razões excepcionais, mas porque és uma pessoa que interessa conhecer, que até pode passar por espanhol ou argentino como aconteceu, mas que é um cofre de experiências e vivências diferentes. !Dále!

1 Comentários:

Às 12:34 da tarde , Blogger A Sonhadora disse...

Olá sobrinhico...gostei de por aqui andar, faz tempo que não aparecia...
Beijocas e abraço apertado
vou voltando...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial